O Cricket na Guiana

Os heróis de Bourda

 

           De longe a mais conhecida arena de esportes da Guyana, o famoso campo de cricket no distrito de Bourda está localizado na capital federal. Esse é o lar do mais antigo clube de cricket do Caribe, o Clube de Cricket de Georgetown (C.C.G.), fundado em 1858, 149 anos atrás.

            Inicialmente, o C.C.G. não possuía estádio próprio. Por meio de um acordo especial com o Conselho da Cidade, o clube passou a utilizar o estádio do Conselho, o Parade Ground, para treinar e realizar partidas. Dificuldades, no entanto, apareceram entre o Clube o e Conselho, principalmente no tocante a quem seria responsável por manter e preparar a arena – particularmente para os jogos intercoloniais.

            Tais dificuldades fizeram com que o C.C.G. adquirisse seu próprio campo, comprando e desenvolvendo um pedaço de terra. A nova facilidade logo substituiu o Parade Ground como o principal local para todas as partidas de primeira classe de cricket, começando com dois jogos entre a, então, Guiana Britânica e Barbados em setembro de 1887, onde o time da casa venceu com 108 corridas e seis wickets (espécie de equipamento utilizado no jogo de cricket).

            A partir de 1960 outros locais, como o Rose Hall em Berbice, também começaram a ser usados para jogos de primeira classe. Bourda, no entanto, permanece como o único lugar para testes de cricket, jogado pela primeira vez em 1930.

            A longa história dos jogos de primeira classe e do teste de cricket no estádio tem se destacado pelas numerosas e brilhantes performances de jogadores que deveriam ser considerados heróis. Essas performances podem ser encontradas em todos os cinco principais períodos cronológicos que tal história pode ser dividida:

 

Os primeiros anos, 1887-1909.

            Os primeiros jogadores a se consagrarem heróis em Bourda são raramente lembrados. Os dois primeiros foram os guianenses Edward Wright e Hampden King que, além de ótimos batedores, eram também excelentes penetrative pace bowlers (jogadores responsáveis por passar a bola aos batedores). A participação deles nos jogos era sempre decisiva, o que levou a Guiana Britânica a ganhar o torneio regional intercolonial pela primeira vez em 1895 contra Trinidade e Barbados, em Bourda.

            O terceiro herói desse período foi o capitão de Trinidade e excelente batedor de meio, Betle Harragin. Suas batidas de 73 e 53 em 1901 e um cento (123) em 1907, fizeram com que seu time derrotasse a Guiana Britânica por 75 corridas e nove wickets em dois jogos em Bourda.

            Esses anos do críquete em Bourda foram seguidos por um período dominado, em sua maior parte, por um único homem: Cyril Rutherford Browne.

 

A era Browne, 1910-1939

             Browne, de Barbados por nascimento, era um batedor rápido, tendo o lançamento de bolas baixas como uma de suas características mais fortes. Browne é lembrado como o jogador mais rápido quando jogou contra a Inglaterra em Fevereiro de 1930, no primeiro teste jogado em Bourda. Ele alcançou 50 nós em apenas 34 minutos, um dos mais rápidos meio-centos de um Indiano Ocidental no teste críquete.

            A era Browne nos deu, pelo menos, dois outros heróis em Bourda: o batedor de meia-ordem, guianense Peter Bayley, e Chatterpaul Persaud. Numa partida contra Barbados, em 1937, Bayley (268) e Persaud (174) dividiram um recorde de quarta parceria em wickets de 381 corridas.     

 

O durante e o pós-II Guerra, 1939-1955

             Partidas no estádio em Bourda durante, e imediatamente após, a II Guerra Mundial se destacam, acima de tudo, pela atrativa produtividade e estilo do batedor de meia-ordem guianense Robert Christiani, o mais respeitado jogador de cricket do País até sua aposentadoria em 1954. Christiani pontuou três centos em Bourda; 128 e 149 contra Barbados em 1944 e 1946 e 181, sua maior pontuação de primeira classe, contra a Jamaica em 1947.

            No começo dos anos 1950, dois outros batedores guianenses se destacaram, os abridores Leslie Wright e Glendon Gibbs, pontuaram três centos nos jogos intercoloniais.

 

A era pré- e pós-independência, 1956-1975

             Esses anos foram importantíssimos para o críquete na Guiana por causa de três fatores principais: primeiro, o País recuperou prestígio no cricket regional novamente – fato que não ocorria desde 1937; segundo, pela primeira vez Berbice passou a ser uma potência do cricket nacional; e terceiro, a Guiana Britânica começou a colaborar com o cricket das Índias Ocidentais.

            Tais progressos estão intimamente ligados com a aparição, na segunda metade dos anos 1950, de quatro jogadores considerados heróis de Bourda: o girador, Lance Gibbs, e os três batedores de Berbice, Rohan Kanhai, Basil Butcher e Joe Solomon. A contribuição dada por eles foi estendida com o advento, nos anos 1960 e começo dos 1970, de três outros heróis: o batedor canhoto Clive Lloyd, Roy Fredericks e Alvin Kallicharran.

            O batedor guianense de maior sucesso dessa época foi Butcher, que conseguiu marcar sete centos em Bourda, dois a mais que Solomon, Fredericks e Kanhai. Seus feitos, no entanto, foram superados por Garfield Sobers, o mais renomado batedor em Bourda entre 1956 e 1975. Nesse período, ele pontuou sete centos, dois em jogos intercoloniais e cinco em testes, incluindo um cento em dois tempos (125 e 109 nós) in a teste contra o Paquistão em 1958. Sobers possui o recorde pelo maior número de corridas e séculos em testes de Bourda (853 corridas, 94,77 em média).

 

Os últimos trinta anos, 1975-2005

            Houve vários jogadores heróicos em Bourda nesse período. Entre eles estão os feitos de dois giradores guianenses, Clyde Butts e Roger Harper. Em jogos intercoloniais, Butts teve a melhor performance de tempo, 7 para 40 contra Trinidade e Tobago em 1993, enquanto Harper  obteve a melhor análise de jogo, 11 por 102 contra Barbados em 1984. Por cinco vezes em partidas em Bourda, nos anos 1980, Butts capturou pelo menos cinco wickets em um tempo.

            Em tempos recentes, os principais heróis de Bourda têm sido as duas estrelas locais: Carl Hooper e Shivnarine Chanderpaul. Hooper é famoso por resultados que contribuíram imensamente para o sucesso da Guiana. Particularmente impressionante, foram suas façanhas no torneio regional de 2001 quando marcou 954 corridas, incluindo quarto centos e quarto de cinqüenta, em 12 tempos em uma média de 95,40 corridas em um tempo, pegando 11 arremessos e capturando 25 wickets de 25,42 corridas cada.

            A aclamação de Chanderpaul tem sido, principalmente, por causa de sua produção como batedor em testes onde tem feito vários centos. Em 1998, por exemplo, ele marcou 118 contra a Inglaterra, o primeiro teste de centos marcado por um guianense em Bourda em 25 anos. O mais memorável tempo de Chanderpaul em Bourda, entretanto, é um incaracteristicamente agressivo contra a Austrália no dia inicial do teste de uma série de 2003. Ele fez apenas 69 entregas, no terceiro teste mais rápido de centos que já se fez em termos de bolas batidas.         

            Em resumo, a famosa arena de cricket do estádio em Bourda teve e continuará a ter heróis em sua história. Por sua reputação como o paraíso dos batedores, não é surpresa que a maioria de seus heróis sejam batedores. No entanto, o número relativamente pequeno de jogadores que tinham como função repassar a bola para os batedores é bem mais louvável.

 

VOLTAR